quarta-feira, junho 30, 2010

Quando ela baila...


Seus olhos são como duas janelas...
Fecham-se para o mundo,
Abrem-se para o seu próprio universo
Seus movimentos, certeiros e precisos, revelam a exuberância de sua essência
Os cabelos desgrenhados arrematam o contorno do corpo
Seus pés delicados tocam e prensam o chão como duas pontas afiadas a esculpir uma obra artística

Quando ela baila...
O mundo para
As cortinas se abrem
E é impossível desviar o olhar
Seus sentimentos abandonam o íntimo e se deixam transparecer
Suas emoções são expressas nos gestos, no ritmo, na música interior

Quando ela baila...
Não passo incólume
Não perco nada
Não ouço mais
Os olhos fitos
O coração pulsante
A emoção aflora
Quando ela baila...

De: Mamãe
Para: Sarah
30/06/2010

(Poema que fiz enquanto a observava dançar livremente em uma de suas aulas de ballet
)

3 comentários:

Ligian disse...

Su, quando tenho oportunidade de ler coisas assim, penso em como Deus nos permite emoções tão singulares em momentos tão cotidianos. Lendo as SUAS palavras, apenas tenho certeza da sua delicadeza e de como você é maravilhosa como mãe! Amo vc, amiga!

Marilene disse...

Lindas palavras, Su. Em meio à vida corrida da mãe moderna, é um privilégio aproveitar alguns minutos para apreciar a beleza da filha e ao mesmo tempo ter o dom e inspiração para transferir para o papel momento tão singular. Parabéns por tão sábio aproveitamento do tempo, que tanto me encantou.
Bjs
Mari

Suenia disse...

Queridas Ligian e Mari, palavras doces e cheias de carinho. Obrigada por estarem sempre ao meu lado ainda que a distância física insista em afirmar o contrário.
Um beijo no coração de vocês.