quarta-feira, maio 11, 2011

Contra a PLC 122

Caros congressistas,


Gostaria de me manifestar como cidadã que já há algum tempo não tem se orgulhado de sua própria nação.

Não estou aqui para rechaçar aqueles que possuem orientação sexual homoafetiva, simplemente quero expressar que desaprovo a PLC 122, lei que, em minha opinião, fere completamente a liberdade de expressão tão defendida pelo regime democrático que, teoricamente, é o vigente no Brasil.

O problema dessa tão polêmica lei vai mais além do que simplesmente criminalizar a homofobia, ela confere aos homossexuais direitos tais que se por alguma circunstância forem demitidos de seu emprego, podem alegar preconceito, se estiverem adotando comportamento inadequado, ainda mais em locais públicos frequentados por crianças e adolescentes, os pais não terão o direito de se manifestar, pois poderão ser presos com respaldo na PLC 122.

O que mais podemos esperar, senhores, de nossas maiores autoridades se até os membros do STF, os mesmos que deveriam assegurar o cumprimento das leis do país e fazer valer nossa constituição, por razões que a própria razão deseconhece, simplesmente pisoteiam, atropelam a soberania de nossa Constituição?

Aonde vamos parar com essas arbitrariedades? Como se espera que o Brasil seja encarado com seriedade internacionalmente se internamente sofremos com decisões que sob o argumento do "preconceito", como são chamados aqueles que desaprovam certo tipo de comportamento, os cidadãos que desejam manter a instituição familar constituída por pai (homem), mãe (mulher) e filhos muitas vezes são os que mais sofrem esse preconceito? A aprovação dessa lei abre precendentes para práticas sexuais entre adolescentes e crianças que não tem qualquer tipo de maturidade para lidar com seu próprio corpo, não estão formados intelectual, emocional e espiritualmente mas que estão sendo bombardeados a todo instante, até mesmo em instituições de ensino, principalmente as públicas, com dicas para se usar preservativos e como ter uma relação homo (sexual) segura. Quantos bebês vocês esperam ver nas caçambas e lixeiras de nosso país? Quantos adolescentes suicidas e homicidas serão necessários para que se coloque um basta na permissividade que hoje é defendida como "liberdade"? Será que essas medidas não estão tolindo a liberdade de expressão daqueles que querem defender princípios e valores para que assassinos como o maníaco da escola de Realengo, por exemplo, não se sintam no direito defender o que acreditam e assim matar nossos filhos enquanto estão buscando um futuro mais digno? A liberdade é limitada por valores, mas que valores? Ninguém mais sabe o que é isso. Cada um tem o seu. Aonde se espera chegar com essa mentalidade? Ou vocês creem que a violência gratuita que assombra o país é culpa do porte legal de armas?

Qual voz tem sido ouvida? A dos 60 mil casais homo que correspondem a 0,6% da população? Será que a opinião dessas pessoas tem mais peso do que as milhões de famílias que desejam que seus filhos cresçam num país descente que não abre mão de valores que garantem a sobrevivência de sua nação? Isso não é preconceito, isso é uma questão de preservação. A aprovação dessa lei vai penalizar cidadãos de bem enquanto processos contra assassinos, estupradores, descartadores de bebês vão mofando nas prateleiras de nossos fóruns.

Acho que a decisão merece uma exaustiva reflexão. É isso que, como eleitora, espero de vocês.

Palavras de uma esposa, mãe, cidadã, estudante, profissional, dona de casa, cristã, cidadã brasileira.

Sou contra a PL 122!



Suenia B. Almeida
jornalista

Nenhum comentário: